Orientações para o novo ano letivo 2020/2021

O coronavírus (Covid-19) mudou a forma como os alunos estão a ser educados em todo o mundo. Devido ao período de confinamento durante o 3º período do ano letivo 2019/2020, as escolas tiveram de reformular todas as planificações e descobrir estratégias para efetivar o ensino à distância, em simultâneo à preocupação de combater as desigualdades sociais, pois nem todos os alunos dispunham das ferramentas necessárias para manter a aprendizagem a partir de casa.

O novo ano letivo 2020/2021 está prestes a começar e, com ele, chegam também novos desafios. Aprendizagens que não foram consolidadas no ano letivo anterior são apenas um dos exemplos dos vários desafios com que nos vamos deparar.

Para apoiar as escolas a planear o próximo ano letivo, o Ministério da Educação publicou um roteiro intitulado “Orientações para a Recuperação e Consolidação das Aprendizagens ao Longo do Ano Letivo de 2020/2021”. Este documento aborda várias questões relacionadas com o regresso presencial dos alunos à escola, às rotinas de aprendizagem e à socialização.

O roteiro prevê atividades para a promoção do bem-estar socioemocional no regresso à escola, assim como prevê a existência de Tutoria (apoio fornecido pelo professor tutor) e, ainda, Mentoria. “A mentoria entre pares visa promover as competências de relacionamento pessoal, interpessoal e académico, procurando que os alunos adequem os seus comportamentos em contexto de cooperação, partilha e colaboração e que sejam capazes de interagir com tolerância, empatia e responsabilidade”.

A Equipa Multidisciplinar de Apoio à Inclusão (EMAEI) terá um papel central na constituição do Plano de Atuação para a recuperação/ consolidação das aprendizagens, principalmente no que se refere ao acompanhamento das crianças e jovens em situação de maior vulnerabilidade, que, em muitos casos, foi acentuada com a pandemia.  

  • Organização da Escola

O Ministério da Educação prevê a recuperação/ consolidação das aprendizagens do ano letivo anterior, de forma intensiva durante as primeiras 5 semanas de aulas, de modo a “garantir a igualdade e a equidade no acesso ao currículo por parte de todos os alunos”.

Para o desenvolvimento do ano letivo 2020/2021, a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares prevê três regimes possíveis: o regime presencial, o regime misto e o regime não presencial, sendo o primeiro aquele que é preferencial, mas admitindo que as escolas estão preparadas, em caso de necessidade, de transitar entre os vários regimes.

Consulte o documento do Ministério da Educação na íntegra aqui: Orientações para a Recuperação e Consolidação das Aprendizagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *